VOUZELA, 17 de Julho de 2024
PUBLICIDADE

Orçamento da CIM Viseu Dão Lafões ascende a mais de 10 milhões

27 de Novembro 2020

O Orçamento da Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões para 2021 ascende a mais de 10 milhões de euros. O documento estratégico foi aprovado, por unanimidade, em sede de Conselho Intermunicipal e será agora submetido à Assembleia Intermunicipal.
Para o presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Rogério Mota Abrantes, “este orçamento é, fundamentalmente, um orçamento que tem em consideração as exigências dos novos tempos, com a presença da pandemia Covid-19 na nossa região e no país, mas com uma noção clara dos desafios que a região tem pela frente e com olhos postos no futuro”.
A área da Mobilidade e dos Transportes continuará a assumir, no ano de 2021, um grande destaque, iniciando-se o projecto piloto de transporte flexível, inicialmente em seis municípios, mas que depois será alargado a todo o território; um projecto no domínio da mobilidade suave, com a construção de várias ciclovias e/ou vias pedonais, em vários municípios; e o investimento em modos de transporte mais suaves, como é o caso das bicicletas.
Na área da Educação, mantém-se o plano de promoção do sucesso educativo nas escolas da nossa região, com vários projectos inovadores, em perfeita articulação com os agrupamentos de escolas e com cada um dos municípios.
No domínio da modernização administrativa continuará a ser desenvolvido o projecto intermunicipal, “1 modelo, 14 municípios”, promovendo a simplificação administrativa, incluindo a administração electrónica e a contínua modernização dos serviços públicos, numa lógica de inovação e homogeneidade de processos e operações entre municípios.
No domínio do Turismo e da Cultura, a CIM Viseu Dão Lafões mantém a aposta no plano de acção no âmbito dos produtos turísticos integrados de base intermunicipal, assim como a execução de dois projectos recentemente aprovados pelo Programa Valorizar, como é o caso da estruturação de um produto turístico associado ao Enoturismo e ao Megalitismo.

Ecopista é uma das prioridades
Rogério Mota Abrantes destaca “a construção da Ecopista de Vouga, uma aspiração de muitos anos da nossa região e que alavancará, ainda mais, o produto compósito de turismo de natureza que estamos a desenvolver no nosso território, que alia percursos pedestres, centros de BTT e Trail, às Subidas Épicas, afirmando a região, no contexto nacional, enquanto destino de excelência, entre os amantes do Turismo de Natureza”.
No domínio da programação cultural em rede, a CIM destaca um conjunto de espectáculos e criações culturais que percorrerão os 14 municípios durante o próximo ano.
Outra área estratégica é a da Protecção Civil Intermunicipal e da Defesa da Floresta, onde as brigadas de sapadores florestais darão continuidade aos trabalhos de silvicultura preventiva e manutenção da rede primária a que se associa, também, o trabalho de planeamento estratégico do Gabinete Técnico Florestal Intermunicipal.
O plano e orçamento para o ano de 2021, prevê, também, a concretização do Sistema de Informação Cadastral Simplificado, no território dos municípios que não dispõem de cadastro geométrico da propriedade rústica ou cadastro predial e iniciar-se-á também a instalação do Sistema Integrado de Videovigilância para a Prevenção de Incêndios Florestais, mais um projecto estratégico para a defesa e resiliência da nossa floresta.

 

Reforçar o papel da CIMVDL

“O ano de 2021 marcará o início do próximo quadro financeiro plurianual 2021-2027, pelo que os trabalhos da definição de uma estratégia de desenvolvimento territorial para a Região Viseu Dão Lafões terão continuidade, a que se seguirá o processo de contratualização com os vários Programas Operacionais”, salienta Rogério Abrantes.

O responsável refere ainda “que no ano de 2021, a CIM irá acompanhar o dossier do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), já que esta Comunidade intermunicipal defende que o mesmo deverá contar com o reforço do papel, da participação e do envolvimento activo das Comunidades Intermunicipais e dos seus municípios”. Para Rogério Mota Abrantes “é fundamental a territorialização do PRR, através de um Pacto Regional, coordenado e liderado pela CCDR do Centro”.

Outro tema que continua a ter uma atenção especial e preocupação é o controlo da pandemia COVID-19 no território. Defende, assim, o presidente da CIM Viseu Dão Lafões “que durante o ano de 2021, os autarcas irão continuar a acompanhar, de muito perto, juntamente com as Autoridades de Saúde e com a Protecção Civil, todos os desenvolvimentos da pandemia COVID 19, na nossa região, já que o trabalho à escala intermunicipal, e em articulação com os restantes actores, regionais e nacionais, revela-se decisivo no controlo desta pandemia”.


Todos os direitos reservados • Notícias de Vouzela

Praça da República, 17 3670 – 245 Vouzela

Powered by DIGITAL RM